(81) 99190-5200

Notícias

icone facebook icone twitter icone gplus icone whatsapp


Saiu no Blog de Jamildo

04/01/2018



Confira artigo do presidente do Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais no Estado de Pernambuco (SINPRF-PE), Frederico França, publicado no Blog do Jamildo.

http://m.blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2018/01/04/armas-de-fogo-um-problema-ou-uma-solucao/

Armas de fogo: um problema ou uma solução?

Qual a função da arma de fogo? Ao contrário do que a grande maioria da população pensa, a arma de fogo deve ser utilizada para promover a paz social, mostrando força de ação caso seja necessária. Dada a grande violência no Brasil e em especial em Pernambuco, a população não se sente segura sendo protegida por um policial desarmado.

A arma de fogo só deve ser utilizada em última instância e com a devida precisão para proteger a si e a terceiros que estejam em perigo de morte. Sem o armamento adequado, sem a devida capacitação, um policial não poderá promover a sua própria segurança e muito menos a da população, que tanto clama por segurança.

Recentemente, foi publicada no Correio Brasiliense a matéria: “Gigantes das armas travam guerra silenciosa por mercado de R$ 2,5 bilhões”. O texto mostra que a Polícia Rodoviária Federal promoveu um processo licitatório através da modalidade de inexigibilidade para a aquisição de aproximadamente 10 mil armas da empresa austríaca Glock.

O que a matéria não mostrou foi que essas armas adquiridas pela PRF são para a troca das atuais armas individuais dos policiais, pois estas estão dando vários problemas por serem de baixa qualidade, comparadas com as armas fabricadas em outros países. Neste caso a empresa que atendeu a todas as exigências da PRF foi a Glock.

Essa omissão proposital foi na tentativa de enganar a população alertando para um aumento do número de armas no Brasil pelo próprio governo. Mesmo que houvesse um aumento no número de armas na Polícia Rodoviária Federal, isso não seria um problema em si, pois policial deve portar arma e de qualidade.

Após essas explicações iniciais, faço agora a segunda pergunta: A segurança pública atual está dando a segurança devida à nossa população?

Os próprios números de altíssima violência em nosso estado respondem facilmente a nossa pergunta. Ninguém se sente seguro em nosso Estado e nem em nenhum outro.

Então, não me resta outra opção senão fazer uma nova pergunta: Porque um cidadão ou cidadã de bem, devidamente qualificado(a) não pode ter uma arma de fogo para prover sua própria segurança?

A resposta é que a atual legislação restringe a posse e o porte de arma de fogo, dando uma interpretação subjetiva à necessidade do porte. Ora, se a avassaladora violência do nosso Estado não é motivo suficiente para alguém que cumpra todas exigências objetivas do estatuto do desarmamento obter sua arma de fogo, não sei mais o que seria necessário.

O absurdo chega ao ponto de não haver necessidade de um Guarda Municipal portar arma de fogo, mesmo que devidamente qualificado e preparado para tal. Mas, a população necessita de segurança e precisa que todos os profissionais de segurança pública estejam em condições adequadas, não importando de que corporação ele seja.

Já faz 14 anos que o Estatuto do Desarmamento entrou em vigor e de lá para cá, a violência no Brasil só tem aumentado e em proporções inimagináveis. São aproximadamente 60 mil mortes violentas que ocorrem todo ano. Não existe tamanha violência em qualquer país do mundo.

Logo, não existe qualquer relação científica entre ausência de armas e a diminuição da violência. Ao contrário, pelo que vimos no Brasil, o desarmamento desmedido ajudou a aumentar rapidamente a violência.
O raciocínio é simples: Se um meliante decide cometer um assalto e deve escolher entre assaltar uma casa com pessoas armadas lá dentro e outra casa com pessoas totalmente desarmadas. Em qual casa ele decidirá assaltar?

A resposta está tanto dentro de nós, quanto na necessidade de alterar o estatuto do desarmamento para propiciar às pessoas de bem, devidamente qualificadas a possuir arma de fogo para proteger a si, a sua família e a sua propriedade.


Não quero e não estou incitando a violência, pelo contrário, a promoção da paz passa pela garantia dela mesma.

As pessoas de bem estão perdendo a guerra para as pessoas más. Sem uma polícia e uma população preparadas, essa guerra nunca será vencida.
Depois disso e apenas despois disso, haverá o dia em que nosso país estará sob controle das pessoas de bem.

Voltar